CLP –    O potencial das parcerias público-privadas
Notícias

   O potencial das parcerias público-privadas

17/05/2017 - Fonte: CLP

Apesar dos evidentes desafios, parcerias público-privadas têm enorme potencial de contribuir para o desenvolvimento sustentável. Tanto é assim que a Organização das Nações Unidas deu especial ênfase à importância da participação da iniciativa privada na implementação da agenda pós-Objetivos de Desenvolvimento do Milênio – os chamados Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Para aproveitar ao máximo este potencial, as empresas precisam compreender as peculiaridades da esfera pública. Diferentemente do ambiente de negócios, onde a agilidade é fundamental para assegurar uma vantagem competitiva em relação aos concorrentes, a construção de políticas públicas requer amplo debate com a sociedade. Esta é a natureza da boa política, que assegura a representatividade dos diferentes grupos de interesse nos espaços de discussão e tomada de decisões.

O processo participativo consome tempo, mas é ele que garante a perenidade das iniciativas nas trocas de governo. Assegurado o engajamento de todas as partes interessadas, são inegáveis os ganhos decorrentes da participação da iniciativa privada na etapa de execução, desde que com a devida fiscalização do poder público e da sociedade civil.

A Lei de Acesso à Informação, que completa cinco anos de vigência no próximo dia 16, foi um avanço fundamental para aumentar a transparência dos órgãos públicos e assegurar o escrutínio da sociedade civil. Ainda que sua implementação continue encontrando desafios até hoje, há ganhos importantes. O Portal Achados e Perdidos - mantido pela ONG Transparência Brasil e a Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), com apoio da Fundação Ford - registra quase 25 mil pedidos de informação feitos pelos cidadãos aos mais diversos órgãos públicos das esferas municipal, estadual e federal de todo o Brasil.

Outro importante avanço seria a regulamentação do lobby, assunto discutido no Congresso Nacional há quase 30 anos. O desconhecimento sobre a atividade e o estigma de marginalidade que carrega desencorajam o debate. Mas a defesa de interesses junto ao poder público é fundamental para a existência de uma sociedade democrática. Os tomadores de decisão são confrontados com uma complexa rede de interesses e se valem das ideias e opiniões dos grupos de pressão para subsidiarem suas decisões.

A regulamentação do lobby é o avanço institucional mais importante para dar a necessária legitimidade na relação entre público e privado, como os exemplos dos EUA e da União Europeia demonstram. Enquanto isso não acontece, é fundamental que as próprias empresas se antecipem e implementem mecanismos efetivos de Compliance e claras diretrizes éticas. Assim, poderemos efetivamente colher todos benefícios potenciais da cooperação entre empresas e governos para o desenvolvimento do país.
 

Luciana Nicola é Líder MLG e Superintendente de Relações Governamentais e Institucionais na Itaú Unibanco.

destaques
Inscrições abertas para o Prêmio Excelência em Competitividade

Inscrições abertas para o Prêmio Excelência em Competitividade

Prêmio visa reconhecer os estados que têm desenvolvido políticas de impacto em Competitividade, dentro dos 10 temas que compõem os 10 pilares do...

BrazilLAB procura por startups com foco em governo para acelerar

BrazilLAB procura por startups com foco em governo para acelerar

Programa de aceleração quer startups com foco em agricultura, finanças e comunicação - foco é na relação entre poder público e empresas privadas

Programa Goiás Mais Competitivo fecha semestre com resultados positivos

Programa Goiás Mais Competitivo fecha semestre com resultados positivos

Em reunião coordenada pelo vice-governador José Eliton, o secretariado apresentou o balanço dos primeiros meses do ano