CLP – O que é o IPTU?
Notícias

O que é o IPTU?

31/07/2017 - Fonte: CLP

 

 

Previsto no inciso I do artigo 156 da Constituição Federal de 1988, e explicitado no artigo 32 do Código Tributário Nacional, o IPTU - Imposto Predial e Territorial Urbano - é um imposto brasileiro aplicado sobre o contribuinte que possui uma propriedade urbana, como uma casa, apartamento, terreno ou sala comercial. Sua principal finalidade é obter recursos para a administração pública, servindo também como instrumento de controle sobre o preço de imóveis.

Sendo de iniciativa própria por parte dos municípios, o imposto é destinado a obras de infraestrutura, asfaltamento, educação, saúde e segurança, sendo a principal fonte de arrecadação de recursos públicos em municípios menores juntamente com o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS). Nos municípios economicamente mais desenvolvidos o IPTU pode ajudar a sanar rombos de conflitos administrativos.  

 

Contexto 

Em 19 de maio de 1799, durante o período colonial, a Rainha D. Maria I de Portugal instituiu a “décima urbana”, tributo aplicado sobre edificações após pedido de empréstimo para o então Governador da Bahia, aconselhando o estabelecimento do imposto nas casas de cidades marítimas.

Em 1891, já na Primeira República, a Constituição Federal da República do Brasil imputou aos donos de imóveis a obrigatoriedade em quitar contas ao Estado mediante à posse de propriedade.

Na Constituição de 1934 o tributo foi dividido entre predial e territorial urbano, excluindo dos Estados-membros a competência tributária sobre propriedades territoriais, sendo, agora, competência dos municípios.

Posteriormente, com a Constituição de 1946, o tributo retomou o formato inicial adquirindo um único nome, Imposto Predial e Territorial Urbano, que se manteve até o texto de 1988.   

 

Qual o destino da arrecadação e como consultá-la?

O IPTU custeia os principais gastos da administração pública e dos investimentos essenciais à população, como saúde, segurança e educação. Após ser aplicado sobre um imóvel localizado dentro de uma zona urbana, a arrecadação total do imposto vai para os cofres do município, se desmanchando sobre outros tributos. 

O munícipe pode obter informações sobre o destino da arrecadação do IPTU por meio do portal oficial da prefeitura de sua cidade na Internet, consultorias ou acessando plataformas que disponibilizam informações públicas (finanças públicas, indicadores socioeconômicos e etc) para o contribuinte, como a Muove Brasil e o Datapedia.

 

                         

 

Como o imposto é calculado?

O IPTU é conhecido pela progressividade - técnica tributária que possibilita adequar o imposto à medida em que se aumenta a base de cálculo.

Conforme o artigo 33 do Código Tributário Nacional, o tributo é calculado pela gestão de cada cidade a partir do valor venal da propriedade - valor de venda - levando em consideração a área do imóvel, as características, a utilização, e o preço padrão do metro quadrado da região de acordo com a Planta do Município.

Ainda é aplicado sobre o valor do imóvel uma alíquota (percentual a ser aplicado na base de cálculo e variável entre 1% e 1,5%) determinada por cada prefeitura, que também determina as formas de pagamento.

 

Quem deve pagar IPTU?

O artigo 34 do CTN estabelece a obrigatoriedade de pagar o imposto por parte de qualquer contribuinte, seja pessoa física ou jurídica. Segundo o texto, quem paga IPTU é o titular do imóvel, mesmo que ainda não tenha a intenção de ser ou se manter dono da propriedade - possuidor ou proprietário.

De acordo com as prerrogativas de cada município, pode se estabelecer uma lista de isenções ao pagamento do tributo. Frequentemente, esse conjunto de informações é disponibilizado pelas prefeituras.

Também há leis municipais que garantem isenção para determinados grupos de pessoas. Em São Paulo/SP, por exemplo, a lei municipal 11.614/94 estabelece isenção para aposentados, pensionistas e beneficiários de renda mensal vitalícia.

 

Função Social e Lei Federal 10.257/01

O tributo tem importância social com base na Lei Federal 10.257/01, também conhecida como Estatuto das Cidade - a qual visa estabelecer o desenvolvimento urbano e a instituição de políticas públicas, regulamentando os artigos 182 e 183 da Constituição Federal.

O Estatuto é uma tentativa de democratizar a administração das cidades brasileiras através de instrumentos de gestão, dentre os quais o Plano Diretor, obrigatório para toda a cidade com mais de vinte mil habitantes, a efetivação de princípios constitucionais de participação mais ativa dos munícipes na esfera política de sua região, zoneamento, uso e ocupação do solo, cooperação entre governos, função social da propriedade, e etc.

Ao IPTU se relaciona a função social do Estatuto das Cidades (um dos seus principais objetivos) através da instituição progressiva do tributo para terrenos sem utilização, podendo ser acrescido de uma alíquota em até 15% do seu valor dependendo da situação do imóvel.

Objetiva-se, assim, cobrar um tributo de valor crescente, ano a ano, aos proprietários de terrenos cuja má administração ocasione prejuízo à população.

 

A realidade dos municípios

 

Desde a Constituição de 88, as cidades passaram a ter autoridade para arrecadação de impostos como ITBI, IPTU e ISS, sendo esses dois últimos os impostos municipais mais relevantes. 

O ISS(Imposto Sobre Serviços) é cobrado de empresas e profissionais autônomos de uma diversa lista de serviços. Consequentemente, sua arrecadação é mais robusta em municípios que contam com uma grande rede de serviços, como grandes cidades e cidades turísticas. 

Para uma boa faixa de municípios brasileiros, o IPTU é o imposto de maior arrecadação ou uma importante fonte de receita para o poder público. A dificuldade em lidar com esse imposto está no fato dele ter uma grande resistência por parte da população, a inadimplência e as dificuldades técnicas de recadastramento e mapeamento dos proprietários de imóveis do município. 

 

Confira também a publicação Por que o meu IPTU não é gasto com minha rua? no Politize e o artigo da Muove Brasil sobre a realidade fiscal dos municípios. 

 

destaques
CLP e ELLIF concluem 3ª turma do projeto "Direito & Desenvolvimento"

CLP e ELLIF concluem 3ª turma do projeto "Direito & Desenvolvimento"

Já são mais de 100 pessoas impactadas pelo projeto em menos de 10 meses de projeto.

Os municípios precisam trabalhar iniciativas de governo aberto

Os municípios precisam trabalhar iniciativas de governo aberto

A evolução da pauta de Governo Aberto no Brasil.

Centro de Liderança Pública leva prêmio das 100 melhores ONGs no Brasil para se...

Centro de Liderança Pública leva prêmio das 100 melhores ONGs no Brasil para se...

O Prêmio Melhores ONGs é uma iniciativa do Instituto Doar e da Revista Época que reúne 1.500 organizações postulantes em um universo de 300.000 ONGs...