CLP – O que os prefeitos eleitos devem considerar para uma boa gestão de projetos
Notícias

O que os prefeitos eleitos devem considerar para uma boa gestão de projetos

21/12/2016 - Artigo de Elizabeth Jucá, gestora pública e alumnus do CLP

 
 
 
Quando eleito, o Prefeito(a) tem como objetivo realizar as ações constantes no Plano de Governo que fundamentou sua candidatura. Ao assumir a Prefeitura ele(a) constata que, além das propostas do Plano de Governo, existem outras demandas da sociedade assim como oportunidades para obter financiamentos oficiais para realização de programas e projetos. Diante deste cenário faz-se necessário definir estratégias para que o produto dos 4 anos de mandato resulte em um maior número de realizações possíveis, refletindo numa nova dinâmica no Município e em evolução da qualidade de vida de sua população.
 
1 - Primeiramente deve-se detalhar cada programa e projeto, para que fique apto à implementação, definindo seu objetivo (por que realizá-lo), o público a ser atendido, o indicador social que será alterado (caso houver) e as ações que deverão ser realizadas para sua implementação, incluindo a necessidade de recursos financeiros e os responsáveis por cada ação. O detalhamento constitui uma etapa essencial porque verifica-se a necessidade de elaboração de projetos, de captação de recursos, de aprovação em outros órgãos, diminuindo os riscos e imprevistos durante a execução.
 
2 - Após detalhamento de todos os programas e projetos deve-se priorizar a ordem de implementação. A matriz de Impacto X Esforço é um instrumento que auxilia na estratégia de implementação. No primeiro ano priorizam-se os programas e projetos que tenham maior impacto e menor esforço, e a cada ano aumenta-se o esforço e impacto até que, no último ano, fiquem aqueles que tenham maior esforço e menor impacto. Entenda-se “esforço” todas as necessidades de financiamento, aprovação em outros órgãos, questões jurídicas, etc.
 
 
O resultado desta matriz pode se transformar no Plano Plurianual, o que seria ideal, ou apenas num conjunto de programas e projetos prioritários da Gestão.
 
Se estamos falando em entregar resultados à sociedade, esta deve conhecer os métodos utilizados para a definição da matriz – transparência e, deve participar da definição final – participação cidadã, essencial para a valorização dos resultados.
 
Ressalta-se que esta forma de acompanhamento permite aos gestores e técnicos da administração municipal acompanhar cotidianamente os gastos, despesas e resultados obtidos, identificar os pontos críticos e, a partir daí, corrigir os rumos e implementar as contra-medidas que permitam os ajustes necessários.    
    
Para facilitar a implementação e o acompanhamento das ações, focado em resultados, deve-se obedecer a uma série de etapas que compõem o ciclo:
 
1 - Planejamento: identificar junto aos usuários os problemas prioritários, analisar suas causas fundamentais e traçar um plano de ação;
2 - Aplicação: ajudar a colocar o plano em prática, apoiando a execução das ações planejadas;
3 - Controle: ajudar a acompanhar todas as ações planejadas e verificar se as metas foram atingidas;
4 - Avaliação: ajudar a elaborar planos adicionais para que metas preestabelecidas sejam atingidas, além de padronizar as melhores práticas.
 
Com a fase de planejamento concluída, inicia-se a implementação das ações, a etapa mais difícil e que significa “fazer acontecer”. Para tanto sugere-se uma equipe de gerenciamento liderada por um Gerente, ou até mesmo uma pessoa, para que acompanhe a execução dos programas e projetos, com empoderamento para “cobrar” a execução, orientar na busca de soluções e auxiliar a mitigar possíveis problemas que poderão impactar nas realizações.
 
São exemplos de Municípios que implementaram essa metodologia e foram, em 4 anos, sucesso em resultados entregues à sociedade: Santos, Teresina, Rio de Janeiro, Pelotas e Juiz de Fora.
 
Essas são ferramentas de gestão que permitem ao Gestor, ao final de 4 anos, entregar à sociedade o maior número possível de realizações, objetivo de todos os Prefeitos e da sociedade.
 
 
 
 
 
 
 
 

 

destaques
A ameaça do crime organizado ao Estado de Direito: o Brasil está preparado?

A ameaça do crime organizado ao Estado de Direito: o Brasil está preparado?

Confira o debate organização pela Fundação Henrique Cardoso, com participação de Leandro Piquet, coordenador do Núcleo de Segurança Pública do CLP.

"Potencialidades contra problemas", confira artigo de Humberto Dantas

"Potencialidades contra problemas", confira artigo de Humberto Dantas

Partidos são organizações essenciais ao modelo representativo, ao mesmo tempo em que detêm o monopólio das candidaturas, mas sofrem com absoluto...

Uma forma interativa para os novos prefeitos solucionarem problemas complexos

Uma forma interativa para os novos prefeitos solucionarem problemas complexos

A redução drástica da arrecadação via transferências de outras esferas de governo e tributos colocou os municípios em alerta.