CLP – Prêmio Espírito Público contempla os bons profissionais do setor
Notícias

Prêmio Espírito Público contempla os bons profissionais do setor

02/02/2018 -

 

A primeira edição do Prêmio Espírito Público terá inscrições abertas de 30 de janeiro a 25 de março. O objetivo maior da iniciativa é reconhecer e celebrar um grupo de pessoas tantas vezes esquecido: o de profissionais públicos que, com as suas trajetórias, tenham feito grandes contribuições ao Brasil.

Os vencedores serão anunciados em cerimônia a ser realizada no Rio de Janeiro, em agosto. O ganhador em cada uma das quatro categorias fará jus a um prêmio de R$ 50 mil e a uma jornada de aprendizagem, em Londres, para conhecer instituições do serviço público britânico.

Ao final do processo, tanto quanto o reconhecimento dos indivíduos premiados, espera-se ter homenageado toda a categoria e espanado o estereótipo do “funcionário público”, malvisto como quem apenas pendura o paletó na cadeira do trabalho. As correalizadoras do prêmio, o Instituto República e a associação Agenda Brasil do Futuro, duas organizações sem fins lucrativos, acreditam que a concretização da potencialidade do país passa pela viabilização de projetos que sirvam de exemplo irradiador, aí incluída a premiação de experiências bemsucedidas no setor público.

Os candidatos elegíveis de acordo com o regulamento do Prêmio, disponível no site, concorrerão nas seguintes categorias setoriais:

1) Educação;

2) Gente, Gestão & Finanças Públicas;

3) Meio Ambiente;

4) Segurança Pública.

Cada uma contará com um júri e um comitê de especialistas renomados, que levarão em conta na avaliação dos candidatos: sua capacidade de inspirar a equipe e o ambiente de trabalho; sua contribuição nas áreas técnicas específicas; o impacto dos resultados na sociedade e seus momentos de superação e resiliência. Todos os níveis e esferas – federal, estadual ou municipal, executivo, legislativo ou judiciário, empresas públicas, fundações ou autarquias – poderão ser contemplados. As exceções são pessoas ocupando cargos eletivos.

O Instituto República e a Agenda Brasil do Futuro contam, na realização do Prêmio, com parceiros setoriais, de notórios saberes e atuações em suas áreas específicas. Na área de Educação, são eles: Todos pela Educação, Instituto Ayrton Senna e Ensina Brasil. Na de Gente, Gestão & Finanças Públicas: Centro de Liderança Pública (CLP) e Movimento Brasil Competitivo (MBC). Na de Meio Ambiente: Instituto Humanize, Fundação Lemann e Believe Earth. Na de Segurança Pública: Sou da Paz e Igarapé. Além disso, há quatro parceiros institucionais: Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais (CEIPE-FGV) e Escola Nacional de Administração Pública (ENAP).

O comitê gestor do Prêmio será formado por membros das organizações correalizadoras e de seus parceiros institucionais. São eles: André Macieira (EloGroup), Cláudia Costin (CEIPE-FGV), Daniel Gerson (OCDE), Eloy Oliveira (Instituto República), Francisco Gaetani (ENAP), Mariano Lafuente (BID) e Marina Cançado (Agenda Brasil do Futuro). Caberá ao comitê fazer o aconselhamento das decisões estratégicas, zelar pela coerência dos critérios de avaliação e validar os nomes tanto dos jurados quanto dos vencedores.

Para manter transparente o processo seletivo dos 10 pré-finalistas e três finalistas em cada categoria, os júris setoriais serão compostos por representantes que já atuaram no governo, na academia, no terceiro setor e em empresas privadas com larga experiência especializada. Eles não podem ocupar cargos diretivos em partidos políticos durante o período de realização do Prêmio e buscam representar o Brasil em toda sua diversidade de geografia, gênero, idade e raça.

A partir da segunda edição, serão incorporados aos júris setoriais os finalistas de anos anteriores. A ideia é que, com o tempo, tanto candidatos quanto jurados do prêmio se tornem ainda mais representativos das transformações no setor público que as instituições correalizadoras, bem como suas parceiras institucionais e setoriais, veem como necessárias ao avanço social do Brasil.

destaques
Fórum MLG discute uso da tecnologia no setor público

Fórum MLG discute uso da tecnologia no setor público

Evento realizado no Campus São Paulo do Google contou com a participação de agentes da sociedade civil e do governo

O que é e de onde vêm os recursos do Fundeb?

O que é e de onde vêm os recursos do Fundeb?

Saiba o que é e de onde vêm os recursos da principal fonte de financiamento da educação básica: o Fundeb

O que são e para que servem as transferências de recursos para os municípios?

O que são e para que servem as transferências de recursos para os municípios?

A maior parte dos municípios depende das transferências estaduais e federais e é importante que eles estejam preparados para captar tais recursos com...

<<<<<<< HEAD ======= >>>>>>> 376e768027fd4b573cdca9fd79d335a1acfbd226