CLP – Projeto Brasil: 4 dados sobre a realidade da educação no país
Notícias

Projeto Brasil: 4 dados sobre a realidade da educação no país

19/06/2018 - Confira agora 4 estatísticas sobre a educação no Brasil que vão deixar você de queixo caído e provocar reflexões sobre os reais desafios do país

 

Este é o artigo inicial da série de conteúdos que o CLP irá publicar até setembro de 2018: Projeto Brasil. Com ela, temos o objetivo de levantar questionamentos relevantes sobre:

  • Educação;
  • Saúde;
  • Desenvolvimento econômico;
  • Segurança pública;
  • Infraestrutura;
  • Sustentabilidade; e
  • Competitividade.

 

A construção de um país melhor passa necessariamente pela oferta de uma educação de qualidade, capaz de atender todos os cidadãos, respondendo às necessidades de uma vida em sociedade e de acesso ao mercado de trabalho.

 

No caso do Brasil, podemos dividir o sistema educacional em:

  • Ensino infantil (creches e pré-escolas);
  • Básico (séries fundamentais e médio); e
  • Superior (técnico e universidades).

Cada um deles tem suas particularidades e desafios. Alguns desses desafios serão expostos a seguir a partir de dados, que servem praticamente como uma fotografia da realidade triste e chocante de Brasil.

 

No ensino fundamental público, o número de crianças de até 8 anos que não conseguem identificar palavras com base em imagens é maior que a população de Santos.¹

 

O número de crianças de até 8 anos que não consegue identificar a finalidade de textos simples é 2 vezes maior que a população da capital do Espírito Santo.¹

 

O que essa estatística nos diz é que mais da metade das crianças que finalizam o último ano do ensino Fundamental não conseguem resolver questões básicas como:

 

Fonte: Relatório de Resultados da Avaliação Nacional de Aprendizagem, INEP, 2017

 

ou

 

Fonte: Simulado 01, 3º ano ANA - Blog do Prof. Adonis

 

Essa realidade foi exposta pelos dados da Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA), realizada em 2016, com mais de 2 milhões de estudantes da educação básica de todo o Brasil. Por outro lado, segundo pesquisa do IBGE de 2013, 98,3% das crianças de 6 a 14 frequentavam regularmente a escola.

 

Desse modo, fica claro que o fato de termos crianças na escola não necessariamente significa que elas estão aprendendo. Logo, um real desafio do Brasil se relaciona à melhoria da qualidade do ensino na educação básica.

 

A partir desse cenário, é possível refletir sobre quais seriam soluções capazes de construir outro Brasil para nossas crianças:

 

1. Para os políticos e gestores públicos, o que seria prioritário: construir mais escolas ou investir no desenvolvimento do professor? O que a realidade local diz sobre essas possibilidades de alocação de recursos?

 

2. Qual o papel dos pais na educação dos filhos? Que políticas públicas podem ser feitas para aumentar a participação das famílias no processo de aprendizagem das crianças?

 

3. Que outras metodologias e tecnologias podem ser agregadas ao processo de ensino para contribuir com o aprendizado? O que é possível de ser executado por cada realidade do país?

 

 

60% dos estudantes do 3º ano do ensino médio não são capazes de interpretar corretamente um gráfico simples.²

 

Em realidade similar à educação fundamental, os estudantes do ensino médio também apresentam desempenho abaixo do esperado ao se mostrarem incapazes de interpretar corretamente o seguinte exemplo de gráfico:

 

Fonte: Relatório SAEB (ANEB e ANRESC) Panorama da Década, INEP, 2015

 

Novamente, é possível notar a baixa qualidade na educação básica, no entanto o número de alunos matriculados no ensino médio não é tão positivo como no fundamental. Segundo relatório da OCDE de 2017, 41% dos estudantes abandonam o ensino médio sem se formar.

 

Dessa forma, para o ensino médio, encontramos dois reais desafios: como aumentar a qualidade da educação e como aumentar o número de jovens que concluem as três séries da educação média. Portanto, essa realidade nos leva a questionar:

 

1. Que reformas e investimentos podem ser priorizadas pelos governantes e gestores públicos para oferecer educação de qualidade aos jovens brasileiros?

 

2. É preciso contratar mais professores ou capacitar e valorizar os já contratados?

 

3. Que políticas podem ser feitas para tornar a experiência escolar dos jovens mais atrativa?

 

52,6% dos jovens de 16 a 29 anos estão desempregados.³

 

Com a queda da qualidade e da presença do jovem no Ensino Médio é quase esperado que capacidade das instituições de educacionais brasileiras em preparar os alunos para o mercado de trabalho seja ruim e que o total de brasileiros com diplomas de graduação seja pequeno.

 

A consultoria MC Kinsey divulgou em 2014, em parceria com o CLP e outras organizações da sociedade civil, o estudo Visão Brasil 2030, que aponta que o acesso à educação superior aumenta em até 3 vezes a chance dos jovens de encontrar emprego e possibilita uma renda até 3 vezes maior. Por outro lado, segundo dados da OCDE de 2014, apenas 14% da população brasileira adulta chega à educação superior, um dos fatores chave para aumentar a empregabilidade e as chances de ascensão social.

 

No estudo da Mckinsey, foi demonstrado também que a quantidade de recursos destinados ao ensino superior é 6 vezes maior do que o valor gasto por aluno no Ensino Infantil. Ou seja, ainda que tenhamos maior investimento para formar bacharéis, licenciados e tecnólogos, o nível de conhecimento necessário para o jovem ingressar nas instituições de ensino superior não é suficiente, dada a baixa qualidade do ensino básico.

 

Identificamos assim os reais desafios de como aumentar o acesso de jovens ao ensino superior e como melhorar a conexão entre educação e empregabilidade. A partir desses pontos, os seguintes questionamentos se fazem oportunos:

 

1. Que políticas educacionais são capazes de expandir o acesso ao ensino técnico e superior?

 

2. Que programas transversais podem contribuir para a empregabilidade dos jovens com ensino técnico?

 

3. Como fomentar uma alocação de recursos entre os 3 níveis de ensino a fim de melhorar o preparado dos jovens para o mercado de trabalho?

 

¹Relatório de Resultados da Avaliação Nacional de Aprendizagem, INEP, 2017

²Relatório SAEB (ANEB e ANRESC) Panorama da Década, INEP, 2015

³Síntese de Indicadores Sociais - IBGE, 2016

destaques
Confira o desempenho do seu estado no Ranking de Competitividade dos Estados...

Confira o desempenho do seu estado no Ranking de Competitividade dos Estados...

Confira os resultados do Ranking de Competitividade dos Estados 2018

Lançamento do Ranking de Competitividade dos Estados 2018

Lançamento do Ranking de Competitividade dos Estados 2018

Inscreva-se e assista à transmissão online da apresentação dos dados e da posição dos estados.

Confira o desempenho do seu estado no Ranking de Competitividade dos Estados...

Confira o desempenho do seu estado no Ranking de Competitividade dos Estados...

Os estados são avaliados sob a ótica de 10 pilares a partir do agrupamento de 68 indicadores.