Search
Close this search box.

100 dias de governo: Rio Grande do Sul foca em infraestrutura e recuperação fiscal

Os 100 primeiros dias de um governo são fundamentais por dois motivos: é o período em que o Executivo dita o ritmo e a cultura da sua gestão e os eleitores têm um primeiro sinal do que é prioridade do novo governo. Por isso é essencial um planejamento estratégico que envolva conjuntamente uma agenda de curto prazo, focada nas ações emergenciais, e um trabalho com ações e projetos a longo prazo.

Diante disso, os dados e informações fornecidos pelo Ranking de Competitividade dos Estados, elaborado pelo CLP – Liderança Pública em parceria com a Economist Intelligence Unit e a Tendências Consultoria Integrada, são tão importantes. De acordo com a edição publicada em 2018, ajustar a situação fiscal e melhorar a infraestrutura são os maiores desafios do governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite. Hoje o estado ocupa, por exemplo, a 25ª posição no pilar de solidez fiscal e a 14° posição no pilar de Infraestrutura.

Baseado em 68 indicadores, que compõem dez pilares, o Ranking é uma poderosa ferramenta para avaliar o desempenho regional e definir as áreas prioritárias para o governo. De acordo com o levantamento, três indicadores contribuem para a má situação fiscal do Rio Grande do Sul: o Estado possui a pior taxa de capacidade de investimento do país (RS investe somente 1,9% de suas receitas), alto endividamento e o quarto pior resultado nominal entre todas as Unidades da Federação.

Diante da grave crise que o estado enfrenta, o Plano de Governo de Eduardo Leite defendeu a promoção de um robusto ajuste fiscal, aumentando as receitas e cortando as despesas do Estado. O recém-empossado governador vem buscando ingressar no Regime de Recuperação Fiscal (RRF) e vem apoiando ativamente a aprovação de uma Reforma da Previdência que englobe os estados. Além disso, Leite baixou sete decretos os quais racionalizam gastos com pessoal e com custeio da máquina pública.

No que diz respeito à infraestrutura do estado, o novo Governo Estadual prometeu realizar amplas concessões de modo a estimular o investimento privado em infraestrutura, afinal, a margem para o estado investir nessa área é bem limitada devido às restrições fiscais que enfrenta. Esse processo já se iniciou e as concessões de rodovias já estão em andamento.

O Rio Grande do Sul é um exemplo, entre muitos outros estados brasileiros, de como é relevante a responsabilidade fiscal para atender as necessidades básicas da sociedade. Eduardo Leite começou sua gestão com um bom plano de controle fiscal tanto do lado das despesas como das receitas.

COMPARTILHE ESSE ARTIGO

Notícias Relacionadas